terça-feira, 2 de maio de 2017

O que tem em sua bagagem?



O que você anda carregando? Já parou para pensar sobre isso?

Uma das cenas do filme O Peregrino que me chama bastante atenção é aquele fardo imenso que o peregrino carrega nas costas.

E na maioria das vezes estamos assim... carregando uma imensa bagagem em nossas costas que nem mesmo sabemos ao certo porque carregamos e o pior de tudo: esse fardo nos impede de vivermos nosso presente em plenitude.

Muitos casais ignoram, ou preferem ignorar, o fato de que ao casar cada um de nós já traz consigo uma bagagem enorme e muitas coisas que são carregadas nessa mala vão influenciar diretamente nosso casamento e se não tivermos o cuidado de esvaziar ou jogar fora esse peso, ele vai acabar afundando-o.

Mas que tipo de bagagem é essa e como saber se você a está carregando?

1. Mágoas passadas - muitas vezes não imaginamos, mas sem perceber, coisas que nos machucaram no passado, antes mesmo de conhecermos nosso cônjuge, podem afetar diretamente nosso casamento. Veja por exemplo uma jovem que sempre foi criticada pela mãe por conta da forma como realizava as atividades domésticas pode ter criado mágoas acerca desse assunto e lá na frente quando estiver casada, qualquer comentário que seu esposo fizer sobre algum serviço doméstico irá abrir a "bagagem" da mágoa e criará um desentendimento entre o casal.

2. Relacionamentos anteriores - infelizmente muitos casais chegam ao altar com uma enorme bagagem de relacionamentos anteriores e fatalmente essa bagagem vai começar a ser aberta no decorrer dos anos no casamento. Comparações, receio de viver o mesmo que já viveu etc. Vamos a mais um exemplo: uma pessoa que foi humilhada em um relacionamento anterior viverá sempre no suspense de quando isso acontecerá novamente no casamento ou ainda criará muitos bloqueios em relação ao cônjuge para não permitir sofrer humilhação outra vez.

3. Maus exemplos - essa é uma das bagagens mais comuns entre os casais. Na maioria das vezes a pessoa vai para um dos extremos: nunca farei isso quando casar ou nunca deixarei que façam isso comigo quando casar. E quando casam, passam pelo caminho tentando evitar cometer os mesmos erros e acabam por cometê-los, daí vem a frustração ou vivem com medo de que o cônjuge em algum momento cometa os erros que você já presenciou tirando todo brilho do seu casamento. Por exemplo uma jovem que viveu em um lar onde o pai era mulherengo viverá sempre com suspeitas sobre seu esposo ou um rapaz cuja mãe falava mal constantemente do seu pai para outras pessoas vai pensar que sua esposa fará o mesmo a seu respeito.

Esses são apenas três exemplos das infinitas bagagens emocionais que você pode estar carregando e que estão prejudicando seu casamento.

Então o que fazer?

A melhor maneira é lidar com essa bagagem e livrar-se dela. Quando chegamos de viagem uma das tarefas desmotivadoras para muitos é a hora de desfazer as malas pois esse é um processo que leva tempo e não traz nenhuma satisfação. Precisamos separar as roupas sujas que precisam ser lavadas, guardar as roupas limpas e outros pertences de volta no lugar e assim por diante, se isso não for feito a mala ficará impedindo caminho em sua casa e ainda pode cheirar mal se não for limpa adequadamente.

É dessa mesma forma que a bagagem emocional precisa ser encarada, uma tarefa não muito agradável mas necessária se quisermos continuar a tocar a vida pra frente sem nada nos atrapalhando. Dependendo do grau da sua bagagem emocional (abuso sexual, agressões físicas etc) talvez você precise da ajuda de um psicólogo ou terapeuta para lhe ajudar a arrumar sua "mala emocional" mas isso não é ruim o importante é que  tome a decisão de não deixar que essa bagagem que você carrega a tanto tempo continue a atrapalhar sua vida e minar seu casamento.

E o mais importante: aproxime-se mais e mais de Jesus. Só Ele tem o real poder de curar nossas emoções e transformá-las em cicatrizes que não mais afetarão a nossa vida.

Em Cristo,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você pensa é importante para nós. Deixe aqui seu comentário.