sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Duas dinâmicas para encontro de casais


Encontre a chave

Material necessário:

Um presente ( nesta dinâmica aconselhamos que seja escolhido um presente de melhor valor)

Corrente

Cadeado

Diversas chaves - uma para cada casal participante

Pote de vidro

Uma caixa - que pode ser transparente para que os casais vejam o que tem dentro. Outra opção é fazer um visor na caixa cortando um quadrado e passando um plástico como se fosse vidro)


Coloque todas as chaves em um pote de vidro, sendo que apenas uma abrirá o cadeado ( deixe para colocar as chaves após todos os casais já estarem presentes na reunião assim você saberá o número exato de chaves que deve colocar).

A caixa deverá estar envolvida pela corrente e fechada com um cadeado.

Na hora de realizar a dinâmica peça que os casais peguem uma chave do pote, cada casal pegará uma.
Depois um por vez irão tentar abrir o cadeado, aquele que pegar a chave certa levará o presente para casa.

Esta dinâmica é baseada no pegue o buquê, realizada em cerimônias de casamento.


Conhecendo você 

Está é uma excelente dinâmica de quebra-gelo e interação entre os casais.

Material necessário:

Prendedores de roupa

Um brinde para o vencedor

Objetivo do jogo:

Além de conhecer uns aos outros, o objetivo é recolher o maior número de prendedores de roupa dos outros convidados quanto possível.

Logo na chegada distribua um prendedor de roupas aos convidados e peça que eles coloquem presos em suas roupas na parte superior e não tirem.

Diga os convidados que eles devem fazer perguntas uns aos outros (esta dinâmica é boa para ser realizada na hora da confraternização pois os casais devem conversar bastante) mas que existem palavras proibidas que não podem ser ditas nem por quem está perguntando e nem por que estará respondendo (escolha palavras que eles terão maior chance de dizer - exemplo: amor, casamento, não, marido, esposa etc.)

Se alguém usa as palavras proibidas, deve entregar o seu prendedor para a pessoa.

O vencedor é a pessoa que ao final do encontro tiver o maior número de prendedores.

Observação: é bom ter mais de um brinde para esta dinâmica em caso de empate.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Eu não sou a mulher maravilha. E você?


Meninas hoje nosso bate-papo é lá no YouTube, vamos conversar sobre como estive me sentindo esses dias e o que aprendi.

Claro que ficarei aguardando seu comentário para enriquecer nosso conteúdo.

Clique na imagem e será direcionada ao vídeo no YouTube


quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Expressando o amor


"Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine." 1 Coríntios 13:1

Quando falamos sobre casamento certamente estamos falando de amor. E quando falamos de amor sempre pensamos na expressão do amor romântico, poético e lírico. Quase conseguimos ver corações saltando da página ou aquele emoticon apaixonado, não é?

Mas precisamos aprender a não apenas falar de amor, mas falar com amor.

Estava meditando nesta passagem de 1 Coríntios e percebi uma nova abordagem para este versículo ( isto me fascina na Bíblia lemos o mesmo versículo várias vezes e ele sempre revela algo novo para nós).
No casamento muitas vezes deixamos passar desapercebido alguns detalhes importantes que fazem a diferença e podem abençoar ainda mais nosso casamento. Um desses detalhes é forma como nos comunicamos com nosso cônjuge.

Muitos casais reclamam por não terem diálogo no casamento mas infelizmente um parte dos que conseguem conversar fazem isso sem colocar amor em suas palavras. As palavras devem ser sempre temperadas com sal (Cl 4.6) e existiria tempero melhor para as palavras que o amor?

O apóstolo Paulo nos mostra que o amor é o que dá sentido e força ao que fazemos. Muitas vezes a maioria dos atritos que você tem vivido em seu casamento é pelo uso das palavras sem amor.
O amor é doce e poético, mas também é forte. É preciso força para ser paciente, tolerante, não guardar mágoas e ressentimentos. É preciso força para temperar as palavras. Para falar ao invés de gritar, para propôr ao invés de impor, para abençoar e não ferir.

Por isso o meu convite para você hoje é busque em Deus, que é o amor (1 Jo 4.8), a força para a hoje, sempre e em todos os dias do seu casamento dirigir ao seu marido ou esposa palavras cheias de amor. Mesmo quando precisar descordar que saiba fazer isso com amor.


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Para onde foi minha privacidade?


Não são poucos os casais que chegam para aconselhamento alegando terem perdido a privacidade após o casamento. Então hoje divido com você algumas questões que precisam ser esclarecidas sobre casamento e privacidade.

Primeiramente vamos definir o que é privacidade.

Segundo a Wikipedia, privacidade (calcado no inglês privacy) é o direito à reserva de informações pessoais e da própria vida privada: the right to be let alone (literalmente "o direito de ser deixado em paz").

Observando este conceito podemos facilmente analisar a privacidade no casamento.
Se um dos conceitos de privacidade é o direito à reserva de informações pessoais e da própria vida privada, ela chega ao fim com o casamento. Este tipo de privacidade não condiz mas a vida de casados.

Observe o que diz a Bíblia em Mateus 19. 5,6 "...‘Por este motivo, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’? Sendo assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne..."

Se com o casamento nos tornamos uma só carne não existe mais duas pessoas, mas dois tornam-se um. Por este motivo a privacidade em alguns aspectos para de existir.
Principalmente hoje com o avanço tecnológico e a chegada da internet, muitos casais brigam por não poderem acessar as redes sociais um do outro e pelo fato  do cônjuge não lhe fornecer a senha do e-mail etc.

Analise comigo, porque não permitir que seu cônjuge saiba suas senhas de redes sociais ou e-mail? Uma frase dita por Renato Cardoso coautor do livro Casamento Blindado é bastante esclarecedora “Não existe privacidade no casamento. E se você esconde alguma coisa é porque você ou não entende nada de casamento ou tem algo a temer.”

Se não temos nada a esconder porque insistir em manter a privacidade neste aspecto?
Outro ponto é querer sair sem dar satisfação ao cônjuge para onde vai ou que horas volta, meus amados este comportamento não faz parte de um relacionamento a dois. Isto é para vida de solteiro e que mora sozinho(a).

Para o casamento funcionar e ser bem sucedido precisamos honrar nosso cônjuge e não manter uma privacidade que na verdade quer ocultar algo.

Mas há um outro ponto da privacidade que eu particularmente acredito que deva ser mantido e é o the right to be let alone (literalmente "o direito de ser deixado sozinho").

Acredito, e esta é minha opinião, que algumas situações devam ser mantidas privadas após o casamento. Como por exemplo, ir ao banheiro e higiene bucal. Para muitos casais isto é normal e não afeta seu relacionamento mas segundo a psicóloga Nancy Erlach Danonisto tal comportamento pode prejudicar o relacionamento:

 "Creio que o excesso de liberdade nestes casos tira a magia e o romantismo do relacionamento, pois existe uma diferença significativa em saber que temos um companheiro vaidoso, cuidadoso, cheiroso e ver a pessoa em seus momentos privados e mais íntimos."

É assim que eu acredito, e esta é minha maneira de observar a privacidade no casamento onde ela deve ou não estar presente.

E você o que acha, qual a sua opinião sobre a privacidade no casamento? Deixe sua opinião aqui nos comentários e enriqueça nosso conteúdo.